Especialistas da pele

Pele Intolerante
Pele Intolerante
Durante muito tempo a pele « intolerante » não figurava nas obras de dermatologia clássica. No entanto, actualmente, uma em cada cinco mulheres é afectada. Como e por que razão a pele se torna muito sensível?

 

Uma questão de sensibilidade

P
or definição, a pele é um órgão sensível, em permanente contacto com o ambiente, o ar, o sol, a roupa…O que muda de indivíduo para indivíduo é a intensidade com que a pele exprime a sua sensibilidade. Distinguem-se vários cenários, existem as peles sensíveis, as peles reactivas ou intolerantes ou mesmo aquelas que são alérgicas. Tantos termos para tantos graus de   « mal-estar » que a pele pode exprimir. E estas reacções mais ou menos intensas, com agressões mais ou menos inofensivas, traduzem o « limiar de reactividade » de cada pessoa. É o limite com o qual não vale a pena brincar, o ponto para lá do qual a pele se sente agredida e reage, provocando as manifestações habituais: vermelhidão, placas, incómodo e desconforto. Nesta escala de intensidade, o termo “hipersensível » refere-se a uma pele cujo limiar de reactividade é muito baixo. Por outras palavras, qualquer “nada” é suficiente - uma nova fórmula cosmética, vento, frio, raios UV, etc. – para que a pele se torne vermelha e surjam as placas. Mas é principalmente uma questão de sensação: muitos pacientes queixam-se que não têm vermelhidão, nem descamação, nem qualquer outro sinal visível! Efectivamente, a componente subjectiva é mais importante no que diz respeito à hipersensibilidade cutânea. Frequentemente, as pessoas descrevem sensações de incómodo e desconforto persistentes, de uma pele que está a sofrer, mas o seu aspecto não deixa adivinhar nada e, por vezes, existem sinais exteriores clássicos.

 

Tal como uma alergia? 
 

De modo nenhum. Embora ambas sejam semelhantes às peles muito sensíveis ou hipersensíveis, a pele alérgica e a pele intolerante, na origem, não têm muito em comum.

A reacção alérgica responde a um mecanismo bem identificado. Tudo parte do contacto com um componente que a pele interpreta como uma agressão específica. A pele passe ao nível de alerta máximo e, imediatamente, ergue um exército: glóbulos brancos, linfócitos, todos os actores de defesa imunitária unem as suas acções contra esta agressão. O resultado não se faz esperar : placas vermelhas, borbulhas, inflamação local com prurido e mesmo uma sensação de queimadura forte. Tudo se desenrola de acordo com este esquema de crise aguda ou transitória em que, por vezes durante vários dias, a pele se apresenta vermelha e mesmo dolorosa e não suporta rigorosamente nada. Para além da consulta ao dermatologista que poderá inclusivamente recomendar a opinião de um alergologista, esta situação obriga a que acalme a pele, o que passa por uma reeducação epidérmica: utilizar apenas hidratantes adaptados, muito suaves, nenhum produto irritante, um número muito limitado de ingredientes. Muitas vezes, as reacções alérgicas são provocadas pelos perfumes e também pelos conservantes, segundo revela a Sociedade Francesa de Dermatologia.

No caso de uma pele intolerante, não são os alergénios nem o sistema imunitário os responsáveis. São as agressões climáticas, as fórmulas cosméticas inadaptadas, gestos de higiene excessivos que provocam a pele e a deixam desconfortável, muito irritada, vermelha e a descamar. Como são muito vulneráveis e os agressores são muito variados, as peles intolerantes precisam de uma especial atenção e eficácia. Senão, o risco é um desconforto quase diário.

 

Retrato-tipo da pele hipersensível
 

Graças a vários estudos, em que o mais recente estabelece que 52% dos Europeus são afectados, começa a desenhar-se um retrato-tipo das peles hipersensíveis:

- O fenómeno é mais marcado nas mulheres com pele fina, clara e seca. Também foi constatado que as pessoas com um perfil ansioso ou stressado estão mais expostas. Nestas, à força de aplicarem produtos cosméticos inadaptados, o incómodo tem tendência para se tornar permanente.

- Um estudo sobre as diferenças étnicas nos Estados Unidos demonstrou algumas tendências gerais. Os euro-americanos têm uma forte reactividade ao vento e menos aos produtos cosméticos. Os asiáticos regem muito à comida picante, às mudanças bruscas de temperatura e ao vento. Em contrapartida, as peles afro-americanas, sem dúvida devido à sua espessura, foram menos reactivas, qualquer que tenha sido o factor desencadeador estudado.

- Para a Academia Espanhola de Dermatologia e Venereologia (AEDV) é a pele das crianças e dos mais idosos que é, habitualmente, mais sensível. No primeiro caso, por ausência de maturidade das estruturas da pele e, no segundo, devido à atrofia resultante do envelhecimento.

 

Actuar no limiar da tolerância
 

No contexto das peles hiperreactivas, impôs-se como necessidade a redução da lista de ingredientes dos cosméticos. Uma condição necessária mas, infelizmente, insuficiente porque, neste estadio de sensibilidade, evitar os potenciais agressores não é suficiente, é preciso aumentar o limiar de tolerância da pele. Como? Intervir sobre o mecanismo biológico em jogo iria acalmar os fenómenos irritativos e também permitir restaurar a barreira cutânea protectora. Um procedimento ganhador que  libertaria estas peles hiperreactivas da sua grande sensibilidade. 

Tudo se desenrola ao nível dos queratinócitos, as células da epiderme. É aqui que se inicia uma cascata de sinais celulares que originam, por fim, os sinais de intolerância cutânea. Ocorrem duas grandes situações:
- A barreira cutânea torna-se mais fraca e a pele tem tendência a descamar. 
- Pode activar-se uma resposta inflamatória (vermelhidão, dor, calor). A pele fica irritada, pica e repuxa.

Conhecidos os mecanismos, nasceu uma nova geração de cuidados para as peles intolerantes que actuam, simultaneamente, na irritação e na alteração da barreira cutânea. Tornou-se possível graças à especificidade da Parcerine®, um ingrediente activo « testado e patenteado »* pelos Laboratórios Dermatológicos Avène, que actua na origem da perturbação. Resultado: a cascata de sinais celulares que fragilizam a pele e promovem as irritações, atenua-se. Por outras palavras, “tornar as peles hipersensíveis menos sensíveis » ao intervir, habilmente, na origem do mecanismo de intolerância, é possível e funciona! Os testes in vitro realizados em laboratórios traduziram uma diminuição da inflamação (– 58% de produção de IL 8). Um painel de utilizadores confirma que, 21 dias após ter adoptado uma rotina de cuidados Peles Intolerantes dos Laboratórios Dermatológicos Avène, a sua pele estava mais nutrida (98%), mais agradável ao toque (97%) e mais flexível (98%).

* Patente registada
Enviar por email

Toda as peles tem diferentes necessidades,
encontre a sua rotina perfeita Eau Thermale Avène.

Comece Agora
  • Os melhores produtos para resolver os seus problemas de pele
  • Aceda aos seus produtos de eleição e informação sobre os mesmos
  • Registe as suas compras para podermos premiar a sua preferência
Registe-se agora

Busca em processamento Busca em processamento Busca em processamento

Login required

You must log into your Avène account to save this information.


Login or create an account

You can't post more than one comment on a product

Dê a sua opinião

* Campos obrigatórios

A MINHA INSCRIÇÃO

-Day
-Month
-Year

Marcas do grupo Pierre Fabre:

*Campos obrigatórios

Obrigada pela sua partilha!

O seu comentário aguarda revisão dos administratores do Website e será publicado após aprovação.