Sol e alergias

Sintomas de alergia ao sol

Como saber se se tem uma alergia solar? É simples: após a exposição solar, a sua pele fica vermelha e com comichão. A alergia solar (ou lucite, como é conhecida em termos médicos) manifesta-se como vermelhidão: uma erupção de pequenas borbulhas ou pápulas vermelhas ligeiramente levantadas e sensações de comichão onde a sua pele foi exposta ao sol.   Encontra-se mais frequentemente em áreas expostas, tais como o decote, os ombros, os braços, as costas das mãos e os pés. Existem várias formas de alergia solar.
 

Erupção polimorfa à luz

A erupção polimorfa à luz é a forma mais comum de alergia solar. Afeta sobretudo mulheres jovens, principalmente no decote, mas pode afetar qualquer outra área que tenha sido exposta, com a notável exceção do rosto. A reação ocorre após a primeira ou segunda exposição ao sol no verão. Pode arruinar a sua vida durante uma semana, mas tem a vantagem (se é que lhe pode chamar isso!) de não se repetir após nova exposição ao sol na mesma estação, como se a pele se tivesse habituado ao sol. Dito isto, a erupção polimorfa à luz provavelmente voltará todos os anos.

 

Lucite polimorfa

A lucite polimorfa é menos comum, mas mais problemática, na medida em que afeta qualquer área exposta, incluindo o rosto, e ocorre após cada exposição, seja no início, seja no meio ou no fim do verão. Este tipo de alergia solar provavelmente também voltará nos anos seguintes.

 

Erupção juvenil da primavera

A alergia solar também afeta as crianças. A erupção juvenil da primavera em particular é uma forma de alergia solar que afeta os ouvidos de crianças e adolescentes, mais frequentemente, rapazes em vez de raparigas, e frequentemente durante uma estadia nas montanhas.

 

Urticária solar

Finalmente, a urticária solar é desencadeada dentro de poucos minutos após a exposição e desaparece espontaneamente à sombra após alguns minutos ou horas, dependendo do indivíduo. O resultado é o aparecimento de manchas espessas, vermelhas e com comichão, semelhantes a picadas de urtiga. 

 

 

  • <span class="ezstring-field">av_solaires_lucite_estival_4x5_2025x2880</span>
  • <span class="ezstring-field">av_solaires_lucite-polymorphe_4x5_2025x2880</span>
  • <span class="ezstring-field">av_solaires_urticaire-solaire_4x5_2025x2880</span>

As vantagens e os danos que o sol traz para a pele

Como tratar a alergia solar

Embora haja várias formas de tratar a alergia solar, o primeiro passo para limitar o risco é limitar a exposição ao sol.
Proteção do sol
Cuidados disponíveis
O primeiro cuidado para a alergia solar é evitar a exposição solar: sem luz solar, não pode haver lucite! É, portanto, essencial conhecer (e respeitar) as regras de exposição solar e proteger a sua pele com roupa, chapéu e óculos de sol e escolher a proteção solar certa para o seu tipo de pele
Para além de limitar a exposição, pode tomar suplementos alimentares vendidos em farmácias algumas semanas antes da primeira vez que se expor ao sol e durante toda a exposição solar. Se estas simples medidas não forem suficientes, o seu médico pode prescrever medicamentos, tais como antimaláricos sintéticos, para tomar durante as suas férias. O seu médico pode até recomendar o tratamento PUVA com um dermatologista, com o qual se administram doses gradualmente maiores de raios UVA na pele. 

ACONSELHAMENTO AMIGÁVEL E ESPECIALIZADO 

A cada nova estação repleta de sol, precisamos de fomentar bons hábitos, porque nenhum tratamento constitui uma cura definitiva. Não é preciso desanimar se tiver uma alergia solar: não tem de ficar à sombra durante o verão! Os bons hábitos solares podem ser aprendidos rapidamente e far-lhe-ão muitíssimo bem. 

 

Qual é o papel dos UVA e UVB na alergia solar?

Enquanto os UVB são os responsáveis pelo bronze e os escaldões, os UVA são os culpados quando se trata de alergia solar. É por isso que é importante encontrar um creme solar de alta proteção que proteja de ambos os tipos de raios UV.

 

1: hipoderme; 2: derme; 3: epiderme; 4: UVA; 5: UVB

1: hipoderme; 2: derme; 3: epiderme; 4: UVA; 5: UVB

A lucite afeta cerca de 10% dos adultos, com um número significativamente maior de mulheres, o que representa 90% dos casos. Na sua maioria, as pessoas afetadas são jovens adultos. A alergia pode ocorrer durante alguns anos e, depois, desaparecer completamente.

Existem outras causas para a reação solar para além da lucite?

Sem dúvida: os sintomas da lucite de verão são os mesmos de outras causas. A lucite de verão não deve ser confundida com uma reação causada pela aplicação de um perfume ou outro produto fototóxico sobre a pele nem pela toma de medicamentos fotossensibilizantes antes da exposição solar!

Na mesma gama

AS NOSSAS SOLUÇÕES PARA PROTEGER O NOSSO FUTURO

Produtos de cuidado da pele da Eau Thermale Avène concebidos para proteger a pele e respeitar os oceanos

Fluido SPF 50+

Fluido SPF 50+

Protege

Spray SPF 50+

Spray SPF 50+

Protege